Paulo Leminski para um dia de chuva

Para os dias de chuva e frio, daqueles que só queremos ler um livro ou assistir um filme e tomar uma xícara de chá, uma poesia do Paulo Leminski, que fala sobre saudade e incertezas.

objeto sujeito

você nunca vai saber
quanto custa uma saudade
o peso agudo no peito
de carregar uma cidade
pelo lado de dentro
como fazer de um verso
um objeto sujeito
como passar do presente
para o pretérito perfeito
nunca saber direito

você nunca vai saber
o que vem depois de sábado
quem sabe um século
muito mais lindo e mais sábio
quem sabe apenas
mais um domingo

você nunca vai saber
e isso é sabedoria
nada que valha a pena
a passagem pra pasárgada
xanadu ou shangrilá
quem sabe a chave
de um poema
e olha lá

Anúncios